Provocações

Terça, às 23h30

Horário alternativo: Quinta, às 04h30

Antônio Abujamra

Apresentador e provocador nato

Arte & Cultura

24/08/11 14:40 - Atualizado em 24/08/11 14:40

Antônio Abujamra “Talento multidisciplinar, Antonio Abujamra faz parte da história da inteligência brasileira. Transgressor de fórmulas e formas, este iconoclasta alia seu talento criativo à fecunda experiência de todos os erros. Corajosamente. Sem concessões a um esteticismo convencional, Antonio Abujamra está há mais de 50 anos na trincheira avançada do teatro e da televisão. Permanentemente insatisfeito, fez de contínuo renovar-se a pedra filosofal de sua vida”. Por Fernando Martins, amigo de Provocações

“Esteticamente, o fracasso é mais interessante que o sucesso. Sou um homem de fracassos”. Abujamra (Veja, 1989)

Abu nasce em 1932 em Ourinhos, interior paulista. Forma-se em Filosofia e Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Sua primeira peça foi como ator, na fase dos seus 20 anos, no Teatro Universitário de Porto Alegre em “Assim é se lhe parece”, de Luigi Pirandello.

“Quem não pensa que é sério quando jovem? Quando jovem eu pensava dirigir uma peça para mudar o mundo. Tinha uma fúria dedicada. A maioria que quis continuar sério: provocou o que está acontecendo no País”. Abujamra (IstoÉ/Senhor, 1988)

Depois de uma temporada no teatro amador do Rio Grande do Sul, ganha em 1959 uma bolsa para estudar literatura espanhola em Madri, na Espanha. Segue para Paris e trabalha com Roger Planchon e Jean Villar. Na Alemanha participa do "Berliner Ensemble" de Bertolt Brecht. De volta ao Brasil, sua primeira direção profissional foi com “Raízes’’, de Arnold Wesker, com Cacilda Becker em 1961. Entre 1962 e 1963, funda o grupo Decisão com base na técnica brechtiana para o teatro político. O trabalho encerra-se com o AI 5. De lá para cá, comandou mais de 150 montagens e a partir de 1987 passa a subir nos palcos.       

“E para que serve a utopia? Eu dou um passo, o teatro dá dois passos. Eu dou dois passos, o teatro dá quatro passos. A utopia serve para isso: continuar caminhando”.  Abujamra (Discurso de agradecimento em 1996 no Festival Hispânico de Miami, nos EUA)

Entre os principais prêmios recebidos por Abujamra estão Juscelino Kubitschek de Oliveira em 1959 pela direção de "A Cantora Careca", de Eugène Ionesco; melhor ator com "O Contrabaixo", de Patrick Suskind , em 1987; Kikito de melhor ator em Gramado em 1989 pelo filme "Festa", de Ugo Giorgetti; melhor ator de TV por sua participação como Ravengar na novela "Que rei sou eu?", de Cassiano Gabus Mendes, na TV Globo em 1989;  Molière em 1991 pela direção de “Um Certo Hamlet” com o grupo Os Fodidos Privilegiados; e "Lifetime Achievement" em 1996 no XI Festival Internacional de Teatro Hispânico em Miami, Estados Unidos.

“Pergunte-me: o que você fez de bom nestes mais de 30 anos de televisão? Eu posso dizer: alguns segundos”. Abujamra (Folha de S.Paulo, 2000)

Abu é eclético na televisão também. Do musical tropicalista “Divino Maravilhoso” ao “Colagem”, junto com Fernando Faro na Tupi até “Provocações” na Cultura, dirigiu infantis como “Vila Sésamo” e novelas como “Ossos do Barão” no SBT e “Os Imigrantes” na Bandeirantes, por exemplo. Na Manchete, Globo e Record, atuou como ator. Ou seja, Abujamra tem mais de 50 anos de inovação na televisão. Em 1998 esteve em Monte Carlo, principado de Mônaco, ao lado de celebridades como Cláudia Cardinale, Annie Girardot e Yehudi Menuhim no júri do Festival Mundial de Televisão como único latino-americano convidado.

“Eu perco tudo para não perder uma frase”. Abujamra (O Globo, 1991)

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.

Comentários

Compartilhar


relacionadas

  • Gilberto Tinetti fala de sua ligação com a música de câmara Gilberto Tinetti fala de sua ligação com a música de câmara

    O pianista e apresentador da Cultura FM rememora suas influências em entrevista a Jamil Maluf nesta edição

  • Vídeo de lobo na Vila Olímpica foi 'pegadinha' Vídeo de lobo na Vila Olímpica foi 'pegadinha'

    O apresentador americano Jimmy Kimmel

  • Jay Leno deixa 'Tonight Show' e passa o bastão para Jimmy Fallon Jay Leno deixa 'Tonight Show' e passa o bastão para Jimmy Fallon

    Jay Leno entrevista o ator Billy Cristal em seu último programa como apresentador do "The Tonight Show", do canal NBC

  • Jair Rodrigues faz 75 anos e ganha homenagem do Mais Cultura Jair Rodrigues faz 75 anos e ganha homenagem do Mais Cultura

    O cantor de Disparada conversa com a apresentadora Bárbara Thomaz, nesta quinta-feira (6/2), às 13h, na TV Cultura

  • Especial SP 460 anos Especial SP 460 anos

    Em comemoração aos 460 anos de São Paulo, a TV Cultura realizou e transmitiu no dia 25 de janeiro (sábado), a apresentação da Orquestra Prelúdio, sob regência do maestro Júlio Medaglia, diretamente da Catedral Metropolitana da Sé. O evento ainda teve as participações especiais do cantor Tom Zé, dos apresentadores Rolando Boldrin e Inezita Barroso, e do tenor Mauro Wrona. Sob a batuta de Medaglia, a Orquestra Prelúdio interpretará composições como Trem das Onze (Adoniran Barbosa), Sampa (Caetano Veloso), Rapaziada do Bráz (Alberto Marino), Ti Voglio Tanto Bene (De Curtis), Modinha Tom Jobim, Mourão (Guerra Peixe) e Paulistânia (Billy Blanco). Os músicos também acompanharão a cantora Inezita Barroso na música Lampião de Gás e Tom Zé em São São Paulo. Rolando Boldrin declamará poema de autoria de Nhô Bento. Já o tenor Mauro Wrona soltará a voz na canção Ydi mint fidl.

voltar ao topo